anarcofagia

 

 

ANARCOFÁGICOS

ventos-anarcofágicos

O mundo é grave, absurdo & inexorável, & carece de Arte & Humor – vitaminas essenciais para suportarmos o tédio existencial. A dimensão intelectual é um arcabouço de imbecilismo, forrada com uma ciência selvática & caduca, atravessada por sistemas filosóficos medíocres & sustentada pelo autoritarismo de autores sacrossantos – Freud, Marx, Kant & outros endeusados pelo fetichismo acadêmico. Faço deste manifesto um convite aos Artistas & Intelectuais a subverter & transgredir este cenário estupidificante.

 Este é um manifesto, sobretudo, pela Arte & pelo Humor.

ventos-anarcofágicos

Se religiões organizadas são o ópio do povo, então religiões desorganizadas são a maconha da turba lunática.
Principia Discordia – Kerry Thornley

 

 

ventos-anarcofágicosOs Anarcofágicos – anarco (relativo a anarquia) & fagia (do grego, phagein: come) – são devoradores de teorias, lógicas, paradigmas & cosmovisões que não adoptam ideologias, valendo-se de teorias provisorias para fragilizar as demais.

 Para além da refutação higienizadora & massiva, os Anarcofágicos entendem que para activar a imaginação, o delírio & o prazer das massas eles devem perfurar a dimensão mais quotidiana da vida humana promovendo: 

a) arte transgressora, como prazerosa alucinação colectiva, & não reduzida a produto, espectáculo, poder de impacto ou militância ideológica; 

b) humor como último argumento contra o tédio existencial, aproveitando a capacidade dele pautar símbolos, reforçar estigmas, criticar comportamentos, derrubar estereótipos & satirizar arquétipos – Zero Mostel disse que “o grau de liberdade que há em qualquer sociedade é directamente proporcional ao riso que nela existe”.

 Theodor Adorno estabeleceu o excêntrico como critério da arte: “a arte é a antítese social da sociedade, & não deve imediatamente deduzir-se desta” & Vladimir Maiakovski atribuiu um carácter construtor à arte: “a arte não é um espelho para reflectir o mundo, mas um martelo para forjá-lo”. Adorno errou considerando a arte apenas em sua dimensão social & Maiakovski esqueceu do poder de desconstruir da arte, como ilustrou endogenamente Roberto Piva: “arcanjos de enxofre bombardeiam o horizonte através dos meus sonhos”. Esta é a aposta da Arte Anarcofágica.

 

O INTELECTUAL ANARCOFÁGICO

 

Eu me contradigo? Pois muito bem, eu me contradigo, sou amplo, vasto, contenho multidões.
Walt Whitman

ventos-anarcofágicosO Intelectual Anarcofágico é multidisciplinar & apela mais para a aparência das argumentações do que as suas consistências lógicas – acreditando que mais vale a beleza das ideias do que a coerência com a realidade absolutizada pela razão, como manifestou Charles Bukowski: “não confio muito nas estatísticas, porque um homem com a cabeça dentro de um forno acesso & os pés no freezer, estatisticamente possui uma temperatura média”.

 As armas de combate dos Anarcofágicos é a Arte Anarcofagica, a Ciência Experimental, o Ensaísmo Lírico & o Humor Contundente.

 Os Anarcofágicos não representam um grupo de esquerda & acreditam que “se a revolução não servir para dançar e rir, não será nossa revolução”, como escreveu Bob Black, um Groucho-Marxista.

 

ARQUI-INIMIGOS E ALIANÇAS

 

1ª Lei Absoluta: PATAFÍSICA- Tudo é decidido pela imaginação e não pela razão.
2ª Lei Não Absoluta: Não encher as caras aos domingos.
Quem quer fazer sentido?
A realidade é relativa;
A Fantasia é bem melhor;
Arte, Poesia e Loucura.
3ª Lei Absoluta: Usar LSD.
4ª Lei Absoluta: Enlouquecer a Política.
5ª Lei Absoluta: Nenhum tipo de censura. Mandar as preposições e a gramática pro inferno!
6ª Lei Absoluta: O que fazer em casos de incêndio? Deixe queimar!
7ª Lei Absoluta: Jogar uma garrafa de conhaque no Delírio Coletivo
8ª Lei Absoluta: DELIRAR.
9ª Lei Absoluta: Assassinar a monotonia causada pela razão.
Leis Absolutas do Delírio Coletivo – Por Fada Verde

ventos-anarcofágicosArqui-inimigos & alianças são deliberações dos Anarcofágicos. Aos arqui-inimigos oferecemos extermínio argumentativo & às alianças oferecemos ajuda apologética de suas bandeiras & causas.

 Os Intelectuais Gramscianos são arqui-inimigos dos Anarcofágicos  –  defendem certos princípios & acreditam dogmaticamente em somente uma forma de mudança social, geralmente doutrinados acriticamente pelos que se dizem críticos. 

O Niilista também é um dos arqui-inimigos dos Anarcofágicos  –  por jogarem cobardemente com a sua existência.

 As alianças são com os Antiproibicionistas  –  entendendo os direitos humanos & os anseios libertários da percepção -, & com os Discordialistas  –  responsáveis por operações como Salve os Anões de Jardins & Mindfuck (criação de uma zona onde a normalidade e o comum sejam suspensos e trocados pelo anormal e incomum).

 

MILITÂNCIA & REIVINDICAÇÕES

 

Não é o medo da loucura que nos vai obrigar a hastear a meio-pau a bandeira da imaginação.
Manifesto Surrealista – André Breton

ventos-anarcofágicosAs bandeiras & reivindicações são renovadas pelos Anarcofágicos com frequência & cada Anarcofágico tem a liberdade de escolher se vai militar por elas & quais vai adoptar, assim como propor a inclusão de novas.

Os Anarcofágicos defendem a cultura popular, o folclore, o jardinismo da área urbana, a transformação de praças publicas em centros de cultura & arte, as terapias naturais & artísticas, os direitos humanos, o antiproibicionismo, a flexibilidade da língua, o zombar filosófico – “zombar da filosofia é realmente filosofar”, como escreveu Blaise Pascal (1623-1662) -, o culto da percepção & da sensibilidade, a ventilação da arte & a democratização da dimensão artística da vida quotidiana.

 Os Anarcofágicos reivindicam: uma edição higienizada & conservada do Kama Sutra para as próximas gerações, cotas para desenhos infantis que reproduzem músicas clássicas, o fim da avaliação valorativa (de 0 a 10) propondo a promoção das avaliações adjetivas, a proibição moral de dar nós nas sacolas – responsável por significativa carga de stresse da humanidade -, & a liberdade do compositor brasileiro – “aí chegou o gringo com o sequencer para prender o músico brasileiro na camisa-de-força do metonímico 4/4 rock-pop-box.” como escreveu Tom Zé.

 

in: anarcofagia

 
 
 
Anúncios

alfred jarry e a pantaphisica

XL

PANTAPHYSIQUE ET CATACHIMIE

II. – AUTRE FRAGMENT

XL

PANTAFÍSICA E CATAQUIMIA

II. OUTRO FRAGMENTO

Dieu transcendant est trigone et l’âme transcendante théogone, par conséquent pareillement trigone.

Deus transcendente é trígono e a alma transcendente é teógona, por consequência igualmente trígona.

Dieu immanent est trièdre et l’âme immanente pareillement trièdre.
Il y a trois âmes (cf. Platon).
L’homme est tétraèdre parce que ses âmes ne sont pas indépendantes.

Deus imanente é triédrico e a alma imanente, igualmente triédrica.
Há três almas (cf. Platão)
O homem é tetraédrico porque as suas almas não são independentes.

Donc il est donc solide, et Dieu esprit.
Si les âmes sont indépendantes, l’homme est Dieu (MORALE).
Dialogue entre les trois tiers du nombre trois.

L’HOMME: Les trois personnes sont les trois âmes de Dieu.
DEUS: Tres animæ sunt tres personnæ hominis.
ENS: Homo est Deus.

Logo ele é por isso sólido e Deus espírito.
Se as almas são independentes, o homem é Deus (MORAL).
Diálogo entre os três terços do número três.

O HOMEM: As três pessoas são as três almas de Deus.
DEUS: Tres animæ sunt tres personnæ hominis.
ENS: Homo est Deus.

XLI

DE LA SURFACE DE DIEU

Dieu est par définition inétendu, mais il nous est permis, pour la clarté de notre énoncé, de lui supposer un nombre quelconque, plus grand que zéro, de dimensions, bien qu’il n’en ait aucune, si ces dimensions disparaissent dans les deux membres de nos identités. Nous nous contenterons de deux dimensions, afin qu’on se représente aisément des figures de géométrie plane sur une feuille de papier.

Symboliquement on signifie Dieu par un triangle, mais les trois Personnes ne doivent pas en être considérées comme les sommets ni les côtés. Ce sont les trois hauteurs d’un autre triangle équilatéral circonscrit au traditionnel. Cette hypothèse est conforme aux révélations d’Anne-Catherine Emmerich, qui vit la croix (que nous considérerons comme symbole du Verbe de Dieu) en forme d’Y, et ne l’explique que par cette raison physique, qu’aucun bras de longueur humaine n’eût pu être étendu jusqu’aux clous des branches d’un Tau.

XLI

DA SUPERFÍCIE DE DEUS

Deus é, por definição, inextenso, mas é-nos permitido, pela clareza do nosso enunciado, supor nele um qualquer número de dimensões superiores a zero, se bem que ele nenhuma tenha, caso estas dimensões desaparecessem nos dois membros das nossas identidades.

Contentar-nos-emos com duas dimensões, a fim de representar mais facilmente figuras de geometria plana sobre uma folha de papel.

Simbolicamente, Deus é significado por um triângulo, mas no qual as três Pessoas não devem ser consideradas nem como os vértices nem como os lados. São as três alturas de um outro triângulo equilátero circunscrito ao tradicional. Esta hipótese é conforme às revelações de Anne-Catherine Emmerich, que viu a cruz (que consideraremos como símbolo do Verbo de Deus) em forma de Y, e apenas o explica pela razão, física, de que nenhum braço de comprimento humano poderia ser estendido senão até às uniões dos ramos de um Tau.

Donc, POSTULAT:

Jusqu’à plus ample informé et pour notre commodité provisoire, nous supposons Dieu dans un plan et sous la figure symbolique de trois droites égales, de longueur a , issues d’un même point et faisant entre elles des angles de 120 degrés. C’est de l’espace compris elles, ou du triangle obtenu en joignant les trois points les plus éloignés de ces droites, que nous nous proposons de calculer la surface.

Soit x la médiane prolongement d’une des Personnes a, 2 y le côté du triangle auquel elle est perpendiculaire, N et P les prolongements de la droite (a + x) dans les deux sens à l’infini.

Nous avons:
x = ∞ – N – a – P.

Or

N = ∞ – 0.

et

P = 0.

D’où

x = ∞ – (∞ – 0) – a – 0 = ∞ – ∞ + 0 – a – 0

x = – a.

D’autre part, le triangle rectangle dont les côtés sont a, x et y nous donne

a2 = x2 + y2.

Il vient, en substituant à x sa valeur (-a)

a2 = (-a)2 + y2 = a2 + y2.

D’où

y2 = a2 – a2 = 0

et

y = √0.

Donc la surface du triangle équilatéral qui a pour bissectrices de ses angles les trois droites a sera

S = y(x + a) = √0(- a + a)

S = 0 √0.

Logo, POSTULADO

Até se saber mais e para nossa comodidade provisória, supomos Deus num plano e sob a figura simbólica de três rectas iguais, de comprimento a, saídas de um mesmo ponto e fazendo entre elas ângulos de 120 graus. É do espaço compreendido entre elas, ou do triângulo obtido ao juntar-se os três pontos mais distantes destas rectas, que nos propomos medir a superfície.

Seja x a mediana prolongamento de uma das Pessoas a, 2y o lado do triângulo ao qual ela é perpendicular, N e P os prolongamentos da recta (a + x) nos dois sentidos ao infinito.

Temos:

x = ∞ – N – a – P.

Ou

N = ∞ – 0.

e

P = 0.

Daí

x = ∞ – (∞ – 0) – a – 0 = ∞ – ∞ + 0 – a – 0

x = – a.

Por outra parte, o triângulo rectângulo cujos lados são a, x e y dá-nos

a2 = x2 + y2.

Pelo que, substituindo x pelo seu valor (-a)

a2 = (-a)2 + y2 = a2 + y2.

De onde

y2 = a2 – a2 = 0

e

y = √0.

Logo, a superfície do triângulo equilátero que tem por bissectrizes dos seus ângulos as três rectas a será

S = y(x + a) = √0(- a + a)

S = 0 √0.