do Prazer do Auto Amor . do pensamento de Austin Osman Spare

spare

KIA

Deus, religiões, fé, moral, mulheres, etc. utilizados para expressar diferentes formas de controle e manifestações de desejo, são expressões marcadas por diversas crenças: – serão, pois, ideias de unidade incutidas pelo medo – expressões que carregam conceitos próprios daquilo que entendemos por servidão.

Kia: é a liberdade absoluta e, ao gozar desse estatuto (liberdade absoluta), será suficientemente poderosa.
Kia, não é um conceito potencial ou manifesto (a não ser enquanto possibilidade imediata) em função das ideias de liberdade, mas o Ego é livre ao recebe-las.
Livre de ideias pela simples razão de que a crença está ausente.
Quanto menos se falar de Kia, menos obscura se torna.
Relembramos que a evolução nos ensina, através de punições terríveis, que a concepção é a realidade maior, mas não a libertação maior dessa evolução. Assim teremos:
Virtude: Arte Pura.
Vício: Medo, crença, fé, controlo, ciência, etc.
Auto-Amor (self-love): o estado de espírito ou a condição gerada pela emoção, pelo riso – o que se transforma no princípio que confere ao Ego a apreciação ou associação universal – que nos permite a ideia ou sentido de anexação, anterior à concepção.
Exaustão: aquela sensação de vazio transportada pelo esgotamento do desejo através da dissipação do próprio desejo.
Quando o estado de espírito está em consonância com a natureza, quando a mente se liberta da insatisfação do desejo por cumprir… esse vazio é sensível à sugestão subtil do Sigilo.

do PRAZER, da LIBERDADE E do PODER.

Para além do Ego, haverá algo em que acreditar?
Que desejamos – cada um de nós – além da negação de tudo enquanto realidade?
Ele, o Ego, somos nós…
O Ego, é invisível.
Somos aquilo em que acreditamos…
O processo criativo reduz-se a esta fórmula.

Os nossos actos são o resultado de ideias com vínculos profundos nas nossas crenças e, como elas (crenças) inseparáveis de nós próprios – crenças: obscuras, indirectas e decepcionantes.
A dualidade é o resultado da acção:
Céu – Inferno
Tudo – Nada
O Céu será o espaço de desejo do feminino
O Inferno o espaço do intenso desejo
O Purgatório será, portanto, o espaço da esperança adiada ou da indiferença após um momento de decepção.
Poderemos assim chegar à conclusão de que estes espaços de crença são todos iguais….
O mago que busca o prazer, ao concluir que existem “diversos níveis de desejo”, entregar-se-à à Virtude e ao Vício – torna-se Kiaísta.

Montado no Tubarão do desejo individual, o mago atravessa o oceano da dualidade e mergulha, em seguida, no auto-amor.

Religiões; o mesmo que projecções da nossa incapacidade, suporte (conforto) das nossas fantasias e medos – sublimações da superstição e afirmação de paradoxos (“Deus está no Céu e sempre”, “o Todo-Poderoso é inconcebível” mas emana sua própria concepção ou sua negação, comete o suicídio etc.) com argumentos que frequentemente roçam a imbecilidade. E para obter o prazer máximo a custo mínimo, devemos contar os nossos pecados e eles serão perdoados. A religião provoca, desta forma, a transformação do homem livre numa marioneta condicionada e manipulada ao sabor dos interesses de um poder…
e o terror é o seu governante.
A religiosidade, ou através da religiosidade o homem conquista apenas a sua própria “manjedoura”, por mais imaginária que essa religiosidade possa ser!
A perspectiva não é agradável: O homem terá de reaprender tudo por si próprio.
Terá que nascer – renascer – de si próprio com toda a sensibilidade do seu corpo.

Muitos enaltecem os ideais da Fé.
Acreditam que eles (ou qualquer coisa) são deuses – “transformam-se” assim em tal “coisa”, ainda que as suas atitudes demonstrem o contrário.
Será melhor admitir a própria incapacidade ou insignificância do que carregar sobre as costas, eternamente, ideias cimentadas na fé.
Ideias que não nos levam a lugar nenhum.
O que é superficial “protege”, mas não altera o vital: portanto, rejeitemos tais ideias…

A Fé é a nossa própria negação, a metáfora do idiota – a fé está condenada ao fracasso.

Para que as “cadeias” se tornem mais eficientes, os governos, em geral, forçam as religiões a actuar junto dos seus escravos (catequizando-os) e são, normalmente, bem sucedidos; são poucos os que conseguem escapar às malhas da religiosidade, os méritos dos catequizadores são grandes.
Porém, quando a fé se desvanece, o Eu Superior entra em acção. E os menos tolos lembrar-se-ão de que Deus é uma criação deles próprios, portanto, sujeito às mesmas leis.
É desejável, esta ambição de fé?

Eu, pelo que me diz respeito, não conheci um único ser humano que não fosse Deus.

Outros há que, dotados de grande conhecimento, não sabem exactamente o que é uma “crença”.
Como acreditar naquilo que desafia as leis naturais e as crenças existentes.
Obvio será que não é dizendo: “- eu creio”.
A arte foi há muito esquecida.
Na realidade, estes estão sujeitos à estupefacção, à distracção a partir de seus próprios argumentos infelizes… confusos…
Adoptam seus dogmas, comportamentos que impossibilitam o exprimir do seu verdadeiro potencial – presos a preconceitos de pseudo coerência…
A “luz” de seu conhecimento estagna qualquer possibilidade de realização pessoal.
Quantas vezes os vemos perdidos na racionalidade das suas explicações?
O ser humano não consegue acreditar apenas pela fé ou pelo ter, uma vez que ele só pode entender o conhecimento adquirido a partir de uma nova percepção da realidade. Se somos tudo, para quê a necessidade de imaginar que não o somos?
Sejamos místicos.

Outros acreditam em orações: ainda não compreenderam que pedir é um acto de submissão – o mesmo que ver os seus desejos negados.
Que estas palavras possam vir a ser a base de seu Evangelho pessoal. “Oh, vós que viveis a vida de outras pessoas, ouvi: – a não ser que o desejo seja subconsciente ele não se realiza, pelo menos nesta vida. Dormir pode ser melhor que rezar. A concordância é uma forma de desejo oculto, um meio de “não pedir”; é assim que a fêmea consegue tudo do macho”.
Use a oração como um meio de exaustão, só assim poderá vir a realizar o seu desejo.

Alguns estão empenhados em mostrar as semelhanças entre as diferentes crenças; acabam por cair num equívoco e nunca mais se “levantam”…
acabam por nunca encontrar as semelhanças nem sequer a quinta essência das religiões.

……. decepcionar para governar ………….. para conseguirmos a transcendência, não podemos dar espaço a um deus ou à religião …….

Há os que veneram a Magia Ritual
acreditam atingir grandes êxtases! Os nossos asilos estão cheios deles, bem como os palcos!
Será através do simbolismo que nos transformamos naquilo que é simbolizado?
Se eu me coroar rei, transformar-me-ei num rei?
O mais provável seria transformar-me num objecto de piedade…

Estes Magos, cuja insinceridade é a sua própria segurança, não passam de janotas desempregados de bordeis.
Magia é apenas uma habilidade natural para atrair sem ter que pedir; ritual é aquilo que não foi afectado, e a sua doutrina nega a doutrina daqueles.

Eu conheço-os bem, tal como conheço o seu percurso de “iniciação” – um percurso que apregoa o medo do próprio conhecimento.

Vampiros!…
As vossas práticas provam a vossa própria incapacidade, não sois possuidores de quaisquer conhecimentos, não possuís qualquer prática mágica…

…. A liberdade e energia não são obtidas por meio da servidão nem o verdadeiro poder é obtido por sua desintegração.

Será que a nossa mente já está saturada e dividida, que não somos verdadeiramente capazes nem mágicos?

_________

Austin Osman Spare nasceu em Inglaterra em 1886 e faleceu em 1956.
Spare foi um dos mais interessantes ocultistas anglo-saxónicos. Pintor e Mago, Spare (filho de um policia londrino) é iniciado ainda muito jovem nos mistérios da bruxaria por uma senhora de apelido Paterson – uma velha bruxa. De 1927 até ao ano de sua morte, Spare viveu como ermita nos suburbios da cidade de Londres. É por muitos comparado a H. P. Lovecraft, outro importante estudioso dos níveis obscuros da mente

Anúncios

Eris a deusa primordial do Caos

eris

No início era Éris – a nossa deusa, e Éris era pura e moldada no absoluto caos – como nos foi revelado pelo divino Tai Chi.

Éris é, tão só, o substrato a partir do qual o universo surge.

E Éris concebeu cinco filhos:

– Gaia (a Terra)

– Urano (o grande céu)

– Pluto (o submundo)

e

– os dois primeiros corvos

Gaia e Urano casaram e, conceberam os doze Titãs, o mais jovem dos quais era Cronos, o Tempo e, também, o Senhor da Agricultura.

Cronos está na origem de todos os nossos problemas.

Foi Cronus, sempre insatisfeito, que desmentiu sua mãe, castrou o pai e… proclamou-se rei da e para a eternidade.

E foi por isso, que Éris o amaldiçoou.

Tal maldição, lançada sobre ele, provocou um acto de traição… isso. Cronos – também ele seria traído e usurpado por um de seus filhos.

Mas antes… muito antes, Cronos, pressente que será traído por um dos filhos. Na ânsia de evitar tal previsão, devorou os 5 filhos.

Mas Rhea, sua esposa, estava grávida de um sexto filho.

E, como é normal, Rhea não queria ver o filho comido por seu marido. Quando a criança nasceu, Rhea substituí a criança por uma grande pedra envolta em linho e apresentou-a a Cronos como seu filho. E ele comeu a pedra sem sequer se certificar se era, de facto, o verdadeiro filho.

E Rhea escondeu o menino. Para tal, contou com a cumplicidade de sua mãe, a deusa Gaia que, na altura, vivia com sua avó Éris na escuridão eterna – aí, onde Cronus não poderia encontrar o petiz.

Precisamente!…

Gaia e Eris foram incumbidas de proteger Zeus, o filho mais novo de Cronus, o menino que sobreviveu envolto no sagrado caos.

E a deusa primordial, Éris, a que tudo previa (porque tudo sabia) – percebeu que Zeus iria crescer para se tornar um Deus de topo da hierarquia – logo um deus dominante e supremo.

Éris pensa e repensa e, ao pensar, repensa de novo e… decide que o melhor será matar seu bisneto – Zeus – antes que inicie o seu reinado de terror.

Porém Zeus sobrevive graças à sua avó, a deusa Gaia.

Com efeito, Éris sabia que ao matar o deus-menino teria de destruir o universo e começar tudo do zero. Então, resolveu fazer da vida de Zeus uma farsa e uma tragédia. Faz tudo para subverter a hierarquia e, logicamente, dar uma machadada na falocracia.

Foi o que, realmente, fez. Procurou arruinar a carreira hierárquica do deus no panteão. E Zeus, esse, sentia-se completamente fodido e frustrado.

Zeus cresce e, derruba o pai, liberta seus irmãos mais velhos das entranhas do progenitor, todavia os titãs serão escravizados e subjugados pelos tios e tias. Tais atitudes de Zeus chateiam profundamente sua avó, Gaia. A deusa não podia suportar que seu neto, o deus-menino que tinha protegido, iria provocar tão grandes danos a seus irmãos, os Titãs – filhos de Gaia.

E Gaia gera um último Titã com Pluto – deus do submundo. Nasceu então Typhon o Pai de todos os monstros. E Typhon cavalga com Éris para enfrentar e matar Zeus. Mas Zeus, nessa altura, andava com Nike (Vitória) – donde se infere que naquele dia não poderia ser derrotado. No entanto, Éris acaba por cagar em Zeus.

Com seu poder supremo qual macho dominante, Zeus reescreve a história, a fim de retratar Éris como uma ordinária, uma deusa subordinada.

é nesta altura que Zeus faz crer a todos que Éris não é sua bisavó mas sim, sua filha. (foda-se!… o tipo era um cabrão falocrata).

Hail Eris !!!!!
23.

Irei descer Voltarei aos altares

aaa-demo

O tempo chegou – desceremos através da Espiral – a dos Tempos.

O ponto central da espiral, é também a do abismo – do Conhecimento.

O abismo é o caminho que os Adeptos almejam alcançar (deverão passar) – a Grande Cidade das Pirâmides.

Adentrando-nos nesse reino infernal e, caminhando em espiral, poderemos alcançar a capital do reino – para alguns, Infernal.

E esse reino representa (pode representar) a total reestruturação do sistema.

Para tal é necessário que superes as dualidades e te tornes um Mestre.

O Mito da descida, é o caminho. Aquele em que todos, no seu percurso, rumam ao interior do grande ciclo e, logicamente, iniciarão (tomarão em suas mãos) o outro.

São muitos os que nos seguirão.

Está escrito, nos muitos Livros e tal pensamento, patente nas muitas culturas: – uma nova Era surgirá!

Os calendários estão mortos.

Outros serão adoptados.

Outros.

Estruturados noutras frequências. Noutros ritmos.

Os dos Tempo.

Os que provocarão uma outra ordem mental. A que nos convidará seguir a harmonia:

– A da natureza

– A da mente

– A dos ciclos (solar – lunar)…

Reordenaremos a nossa mente.

Valorizaremos o fluxo do calendário lunar, sua tradição iniciática.

Somos os filhos das “bruxas” e “magos” que a cristandade não conseguiu queimar nas suas fogueiras.

Estamos vivos e reivindicamos o regresso da “Grande Roda do Ano” com seus sabat e festividades lunares.

Reivindicamos as práticas da Bruxaria tradicional. A grande FESTA. Uma sociedade humanizada onde a criatividade e a liberdade são a grande chave.

Reivindicamos a absoluta liberdade. A liberdade é una. É um todo.

A liberdade é! – a “liberdade parcelar” não o é!

A liberdade e a criatividade irrompem. Espontaneamente.

Não há (não pode haver) “parcelas” de liberdade.

Há, tão só Liberdade.

É a Liberdade que desejamos. Que reivindicamos.

Quando as estrelas estiverem alinhadas eles voltarão para destruir o mundo. Os “Antigos” transportam consigo os nomes esquecidos e trarão, de novo, os poderes negados ou adormecidos.

Os poderes que residem no nosso interior – os quais não damos conta

Eles voltarão aos altares.

E Eles destruirão os altares.

A liberdade será reconquistada aos tiranos – A Grande Árvore será o nosso trono

as ervas as bruxas e alguns bruxedos

Como Usar as Ervas – Mágicas

bruxa-1

Usar ervas mágicas é relativamente simples!
Mas atenção!… Algumas das ervas, que indicamos neste apontamento, são venenosas. Há que ter as cautelas necessárias antes de as usar.

Assim e para o uso correcto das ervas mágicas, devemos colocá-las num saquinho feito com veludo preto ou em couro (igualmente negro).
O saquinho é (passa a ser) um amuleto – mágico. Assim sendo, passa a ser objecto de transporte pessoal.

Secar e, eventualmente, deixar as ervas penduradas em espaços de sua casa também poderá ser uma forma poderosa de atrair as forças mágicas dessas ervas.

As ervas que se relacionam com amor, podem ser reduzidas à pó. Nesse caso, poderemos soprar sobre a pessoa que desejamos ou usar o pó para conquistar alguém…

O Poder mágico das plantas

Para assuntos relacionados com negócios: benjoim, canela, cravos da índia, louro;

Para assuntos relacionados com a adivinhação: alecrim, anis estrelado, artemísia, canela, freixo, louro, noz-moscada, rosa, sândalo;

Para assuntos relacionados com a fertilidade: carvalho, girassol, mandrágora, noz, papoula, pinho, romã, roseira;

Para assuntos relacionados com a cura: alecrim, arruda, canela, cardo bento, cravo, eucalipto, freixo, hortelã, lavanda, maçã, mirra, narciso, rosa, salva, violeta;

Para assuntos relacionados com o amor: alecrim, canela, cominho, coentro, jasmim, laranja, lavanda, limão, lírio, maçã, manjericão, verbena, violeta;

Para assuntos relacionados com dinheiro: amêndoa, artemísia, brionia, camomila, cravo, jasmim, madressilva, manjericão, menta, trigo;

Para assuntos relacionados com protecção: alecrim, angélica, arruda, boca de leão, artemísia, erva doce, freixo, louro, verbena, visgo;

Para assuntos relacionados com purificação: açafrão, alfazema, alecrim, anis, arruda, hortelã, lavanda, limão, louro, mirra, sabugueiro, sândalo, sangue de dragão.

bruxas2

As Ervas

A

Alecrim (Rosmarinus officinalis)

. Planeta: Sol
. Elemento: Fogo
Usado em encantamentos de proteção, ajuda nos estudos. Devemos lavar as mãos com uma infusão de alecrim (tal acto substitui o banho de purificação). Podemos beber um chá de alecrim antes de fazer um exame ou uma entrevista de trabalho para abrir a mente. O chá de alecrim é óptimo para trazer ânimo.
Esta infusão está ligada à fidelidade, ao amor, às lembranças felizes. O cheiro de alecrim mantém a pessoa alegre, é pois um símbolo de amizade.

Açafrão (Crocus sativus)

. Planeta: Sol
. Elemento: Fogo
Usado em rituais de prosperidade e cura.

Alho (Allium sativum)

. Planeta: Marte
. Elemento: Fogo
Erva extremamente protectora. Pode ser pendurado em casa como elemento protector. É também utilizado para ritos de exorcismo. Os antigos gregos colocavam o bolbo do alho sobre um amontoado de pedras numa encruzilhada – uma oferenda à deusa Hécate.

Amêndoas (Prunus amygdalus [doce] Amygdalus communis [amarga])

Na antiguidade as amêndoas eram conhecidas para prevenir a intoxicação, na idade média as amêndoas eram adicionadas às refeições com esse mesmo propósito. Além disso, a amêndoa é consumida para despertar a inteligência.

Angélica (Angelica archanegelica)

. Planeta: Sol
. Elemento: Fogo
A raiz da angélica guardada num saquinho de tecido azul funciona como um poderoso talismã protector.
A raiz também pode ser colocada num saquinho de tecido branco pendurado na janela para proteger, casa e pessoas que moram nela, de todo o mal.

Anis (Pimpinela anisum)

. Planeta: Júpiter
. Elemento: Ar
Usado para protecção. Um travesseiro feito com anis, proporciona um sono tranquilo e sem pesadelos.
É considerado um óptimo protector contra o mau olhado.

Avelã (Corylus spp.)

. Planeta: Sol
. Elemento: Ar
A madeira é apropriada para fazer qualquer tipo de bastão. Óptimo encantamento para nos trazer sorte. Fazer uma cruz solar amarrando 2 galhos juntos com um cordão vermelho ou dourado torna a acção mais eficaz.

bruxas3

B

Bálsamo de Gilead (Populus candicans)

. Planeta: Saturno
O botão pode ser usado na cura – por exemplo um coração partido. Também é usado noutros feitiços de amor e proteção.

Basílico (Ocimum basilicum)

. Planeta: Marte
. Elemento: Fogo
Usado em rituais que privilegiam a riqueza e a prosperidade. Pode ser carregada no bolso para atrair riqueza.
Acreditava-se que a mulher poderia impedir a infidelidade do marido salpicando basílico no seu corpo.

Baunilha (Vanilla aromatica ou Vanilla planifolia)

. Planeta: Júpiter
. Elemento: Fogo
Usado nos encantamentos de amor. O óleo de baunilha tem função afrodisíaca.

Benjoim (Styrax benzoin)

. Planeta: Sol
. Elemento: Ar
Usado como incenso de purificação.

bruxas3

C

Camomila (Anthemis noblis)

. Planeta: Sol
. Elemento: Água
Usado nos encantamentos e rituais de prosperidade. Estimula o sono. O chá acalma e tranquiliza. Pode ser muito útil quando de um ritual ou em situações de raiva ou, mesmo, agonia.
Lavar o rosto e as mãos com camomila atrai a relação amorosa.

Canela (Cinnamonum zeylanicum)

. Planeta: Sol
. Elemento: Fogo
Pode ser usado como incenso para a cura, para a clarividência e para as vibrações espirituais. É conhecida como poderoso afrodisíaco. Também usada em feitiços de prosperidade ou feitiços de amor.

Carvalho (Quercus alba)

. Planeta: Sol
. Elemento: Fogo
Árvore sagrada em muitas culturas. Queimar folhas de carvalho purifica. A madeira é usada para fazer bastões de todos os tipos. O fruto do carvalho pode ser usado para fazer encantamentos de fertilidade, preserva a juventude e evita doenças. O homem pode usar o fruto de carvalho para aumentar a potência sexual.

Cebola (Allium cepa)

. Planeta: Marte
. Elemento: Fogo
Usado para proteger e curar.

Cipreste (Cupressus spp.)

. Planeta: Saturno
. Elemento: Terra
A fumaça do cipreste pode ser usada para consagrar instrumentos mágicos.

Coentro (Coriandrum sativum)

. Planeta: Marte
. Elemento: Fogo
Usado em feitiços de amor.

Cominho (Carum carvi)

. Planeta: Mercúrio
. Elemento: Ar
Usado em encantamentos de amor – atrai a pessoa amada.

Cravo (Dianthus caryophyllus)

. Planeta: Sol
. Elemento: Fogo
Na época da inquisição as bruxas carregavam o cravo consigo para prevenir-se contra a captura ou enforcamento. Gera energia no ritual quando usado como incenso.

bruxas3

D

Dill (Anethum graveolens)

. Planeta: Mercúrio
. Elemento: Fogo
Usado em feitiços de amor. Pendurado nos quartos de crianças protege-as. Na antiguidade o dill era usado para proteger pessoas contra os malefícios e bruxedos.

bruxas3

E

Espinheiro (Crataegus oxyacantha)

. Planeta: Marte
. Elemento: Fogo
Muito usado em “saquinhos” de proteção. Na antiga Grécia e Roma, era associado à felicidade em ligações amorosas.
Pode ser queimado como incenso para proporcionar energia e dinamismo ou em momentos de reflexão.

Eucalipto (Eucalyptus globulus)

. Planeta: Lua
. Elemento: Ar
Usado em rituais de cura e feitiços de todos os tipos. Pode ser utilizado para cura colocando as folhas em volta de uma vela azul e queimá-las. Também pode ser pendurada em volta do pescoço – cura de resfriados e dores de garganta.

bruxas3

F

Freixo (Fraxinus excelsior)

. Planeta: Sol
. Elemento: Água
Usado na feitura de vassouras e bastões de cura. As folhas deixadas por baixo do travesseiro auxiliam na concretização de sonhos psíquicos. A folha pode ser trazida no bolso para atrair a fortuna.

bruxas3

G

Gardénia (Gardenia spp.)

. Planeta: Lua
. Elemento: Água
Use as flores para atrais amor.

Girassol (Helianthus annus)

. Planeta: Sol
. Elemento: Fogo
Traz as bênçãos do Sol – no espaço onde cresce.

bruxas3

H

Hera (Hedera spp.)

. Planeta: Saturno
. Elemento: Água
Guarda e protege a casa.

Hortelã (Mentha piperata)

. Planeta: Vénus
. Elemento: Ar
Usada nos encantamentos de cura. Tomar banho com hortelã é óptimo -pode ser usada como incenso.

bruxas3

I

Íris (Iris florentina ou Iris germanica)

. Planeta: Vénus
. Elemento: Água
Usado em feitiços de amor, banhos e incenso.

bruxas3

J

Jasmin (Jasminum officinale ou Jasminum odoratissimum)

. Planeta: Júpiter
. Elemento: Terra.
Usado em feitiços de amor.

Junípero (Juniperus communis)
. Planeta: Sol
. Elemento: Fogo
O ramo de junípero é usado para evitar acidentes. O grão seco atrai o amor. Esta planta protege a casa contra o roubo.

bruxas3

L

Laranja (Citrus sinesis)

. Planeta: Sol
. Elemento: Água
A casca seca de laranja é usada em feitiços de amor e fertilidade, ou como incenso solar. É um símbolo tradicionalmente chinês de sorte e prosperidade.

Lavanda (Lavendula vera ou Lavendula officinale)

. Planeta: Mercúrio
. Elemento: Ar
Usado em banhos ou incenso de purificação. Jogar lavanda ao fogo no solstício de verão é um tributo aos Deuses, dá-nos visão e inspiração. Usado também em banhos para curar e para atrair o homem (objecto de desejo). O perfume da Lavanda induz ao sono. Excelente para nos dar claridade e coerência em trabalhos mágicos e concentração.

Louro (Lauris noblis)

. Planeta: Sol
. Elemento: Fogo
Na Antiga Grécia as folhas de louro eram usadas nas coroas dos vitoriosos no atletismo ou nos concursos de poesia. As folhas podem ser queimadas ou mastigadas para induzir visões. Usado como amuleto para protecção das forças negativas. As folhas deixadas por baixo do travesseiro induzem a sonhos proféticos. Pode ser usado em rituais de protecção e purificação. Manter um pé de louro em casa protege, todos os que nela moram, de doenças.

bruxas3

M

Mandrágora (Mandragora officinarum)

. Planeta: Mercúrio
. Elemento: Terra
Uma erva muito poderosa para proteger o Lar. A raiz pode ser usada para curar a impotência masculina. Para carregar a mandrágora com seu poder pessoal, deixe-a em sua cama durante 3 dias durante a lua cheia. Usada também para dar coragem.

Manjerona (Origanum majorana)

. Planeta: Mercúrio
. Elemento: Ar
Usado em feitiços de amor. Coloque um pedaço dessa erva em todos os cómodos da casa como protecção.

Margarida (Bellis perennis)

As margaridas estão associadas as celebrações da primavera e do verão: decorar a casa na noite do solstício de verão, traz felicidade para o lar e atrai as fadas.

Maçã (Pyrus malus)

. Planeta: Vênus
. Elemento: Água
Muito usada em feitiços de amor há milhares de anos. O suco da maçã pode substituir o vinho quando realizar um feitiço ou ritual. A madeira da macieira pode ser usada para fazer bastões e em feitiços de amor.

Meimendro (Hyoscyamus niger)

. Planeta: Saturno
. Elemento: Água
Venenoso. Usado para atrair o amor de uma mulher. Também usado em adivinhação salpicando meimendro na água.

Mirra (Commiphoria myrrha)

. Planeta: Sol
. Elemento: Água
Usado como incenso protector e purificador. Também pode ser usado para consagrar instrumentos mágicos.

Murta (Myrica cerifera)

. Planeta: Vénus
. Elemento: Água
Sagrado a Vénus – é usado em feitiços de amor e de todos os tipos. Ter murta em casa atrai a sorte. Use as folhas de murta para atrair amor, e a madeira para preservar a juventude. A madeira é boa para os encantamentos.

bruxas3

N

Noz (Juglans regia)

. Planeta: Sol
. Elemento: Fogo
Use a noz em encantamentos para promover a fertilidade e fortalecer o coração.

Noz-moscada (Myristica fragrans)
. Planeta: Júpiter
. Elemento: Ar
Usado para reforçar a clarividência prevenir reumatismo. Sonhar com noz-moscada significa mudanças na vida do sonhador.

bruxas3

O

Olíbano (Boswellia carterii)

. Planeta: Sol
. Elemento: Fogo
Seu perfume é muito poderoso – auxilia nas meditações. Usado como incenso para protecção.

Oliva (Olea europaea)

Sagrado para Atenas. É um símbolo de paz e prosperidade.

bruxas3

P

Patchouli (Pogostemon cablin ou Pogostemon patchouli)

. Planeta: Sol
. Elemento: Terra
Erva afrodisíaca, também atrai amor.

Pimenta (Capsicum spp.)

. Planeta: Marte
. Elemento: Fogo
Usado em feitiços de proteção.

bruxas3

R

Rosa (Rosa spp.)

. Planeta: Vénus
. Elemento: Água
Beba um chá de rosas para ter sonhos adivinhatórios, ou para privilegiar a beleza. A rosa pode ser, também, Usada como incenso ou em encantamentos, para dormir, atrair amor e curar. Sonhar com rosas significa, sucesso no amor, fortuna.

bruxas3

S

Sabugueiro (Sambucus canadensis)

. Planeta: Vénus
. Elemento: Ar
Os galhos podem ser usados para fazer varinhas mágicas.

Salgueiro (Salis alba)

. Planeta: Lua
. Elemento: Terra
Os bastões feitos com a madeira do salgueiro têm a propriedade de cura. O salgueiro traz bênçãos da Lua para aqueles que o têm. O salgueiro pode ser usado para fazer a vassoura mágica. Tanto as folhas quanto a madeira.

Salsa (Carum petroselinum)

. Planeta: Mercúrio
. Elemento: Ar
Na antiga Grécia e Roma era um símbolo de morte, e era usada nas coroas de flores em túmulos. Era consagrada a Perséfone e usada em ritos funerários.

Sálvia (Salvia officinalis)

. Planeta: Júpiter
. Elemento: Terra
Usado em encantamentos de cura e prosperidade. Promove a longevidade e saúde.

Samambaia

. Planeta: Saturno
. Elemento: Terra
É uma planta extremamente poderosa para a proteção da casa.

Sândalo (Santalum album)

. Planeta: Lua
. Elemento: Ar
Usado como incenso para purificar, curar e proteger.

Sangue de Dragão (Daemonorops draco ou Dracaena draco)

. Planeta: Marte
. Elemento: Fogo
Usado em feitiços de amor e proteção. Um pedaço colocado debaixo da cama ajuda a curar a impotência.
Carregue um pedaço para ter sorte. Pode ser dissolvido e usado no banho para uma poderosa purificação. O sangue de dragão também é usado na feitura de tinta mágica.

bruxas3

T

Tília (Tilia europaea)

. Planeta: Júpiter
Associado ao amor conjugal e a longevidade.

Tomilho (Thymus vulgaris)

. Planeta: Vénus
. Elemento: Ar
Usado como incenso purificador, banhos mágicos de limpeza. Pode ser inalado para refrescar e renovar a energia. Use para se defender contra as forças negativas. Esta planta traz inspiração e coragem.

Trevo (Trifolium spp.)

. Planeta: Mercúrio
Associado à Deusa Tríplice. Usado em rituais de beleza e juventude. O trevo de quatro folhas, pode ser usado para ver fadas, curar doenças, e em feitiços de boa sorte. Sonhar com trevo significa fortuna, principalmente para pessoas jovens.

bruxas3

U

Urtiga (Urtica dioica)

. Planeta: Marte
. Elemento: Fogo
Encha um pote com urtiga para lançar más vibrações e maldições de volta a quem as mandou. Usado também em feitiços de protecção e para incentivar a coragem. Foi considerado como antídoto contra vários venenos.

por um tecno-shamanismo

os talismãs desempenham um papel importante nos mistérios da arte mágica. um talismã depende da ciência do mago
e
este, combina a força de sua vontade e inteligência com as mais favoráveis influências do planeta…

por um tecno-shamanismo

para quê uma bola de cristal?

porque não, antes, uma velha televisão (totalmente dessincronizada)? – isso, com aquele delicioso fundo de ruído branco! (o consultante à toa e o mago a interpretar a mensagem transmitida pelo ecrã…)
e se recuperares, no lixo, objectos vários e os usares para produzir objectos mágicos?
Precisamente, talismãs feitos de colagens e foto-montagens, velhas componentes de computadores e rádios.
invoca os fetiches da era moderna, canaliza as identidades corporativas da “unilever”, “bp” ou “max factor”.
pois…

ao que nós chamamos feitiçaria, eles chamam publicidade….

fonte da adaptação: apikorsos