Igreja da Santa Cruzada do Caos Perpetuo

 

 

 

Igreja da Santa Cruzada do Caos Perpétuo (1)

 

 

 

Os irmãos reunidos em conclave – propõem:… Um outro programa que aponta para uma cada vez maior, uma cada vez maior, radicalização de atitudes. 

Companheiros:

 

IMG_5015

 

1. Actuem conscientes de que o racismo psíquico e económico veio substituir a discriminação aberta e é hoje um dos aspectos mais repugnantes da nossa sociedade.

2. Abandonem toda a pureza ideológica, abracem o anarquismo “tipo 3” (para utilizar a terminologia de Bob Black): -Nem colectivista nem individualista. Limpem os Templos, destruam os ídolos, desembaracem-se “do velho”, das relíquias e dos mártires.

3. O movimento anti trabalho ou “trabalho zero” é fundamental, incluindo o ataque radical e violento contra a “educação” e servidão das crianças.

4. Substituam as tácticas caducas de publicação/propaganda pela pornografia e o entretenimento popular como veículos de uma reeducação radical.

5. Na música a hegemonia do compasso 2/4 e 4/4 tem de ser combatida. Precisamos de uma nova música, totalmente disparatada. No entanto confirmadora de vida. Potente mas ritmicamente subtil. O mesmo combate deverá ser dirigido aos “performers” auto flageladores. Morte à arte da mutilação viva a arte portadora de vida e de liberdade! Necessitamos de uma nova estética. E JÁ!

6. O anarquismo tem de se descartar do materialismo evangélico e do banal cientifismo bidimensional do século XIX. Os “estados mais elevados de consciência” não são mais meros fantasmas inventados por sacerdotes malvados. O oriente, o oculto, as culturas tribais possuem técnicas que podem ser assimiladas de maneira verdadeiramente anarquista. Sem “estados mais elevados de consciência”, o anarquismo consome-se (dilui-se) e seca num queixoso lamento. Necessitamos de um tipo prático de “Anarquismo Místico”, isento de toda a merda pseudo filosófica e do deslumbramento do “New Age” – Inexoravelmente herético e anti clerical. Ávido de todas as novas tecnologias de consciência e metanóia, uma democratização do chamanismo, ébria e serena.

7. A sexualidade foi assaltada, obviamente pela direita, mais concretamente pela pseudo vanguarda da “pós sexualidade”, e mais subtilmente pela recuperação espectacular nos media e publicidade. Chegou o momento da reafirmação explosiva do Eros Polimorfo, de uma glorificação literal dos sentidos – queremos uma doutrina de gozo. Abandonemos a vergonha.

8. Ensaiemos novas tácticas para ocuparmos a caduca mentalidade das “esquerdas”. Enfatizemos os benefícios práticos, materiais e pessoais na criação de redes radicais. Os tempos não são propícios para a violência ou combatividade (directa), mas com toda a certeza a sabotagem e a imaginação têm sempre lugar cativo no “espectáculo”. Trama e conspira, não te acomodes nem te lamentes!… O mundo da arte, em particular, merece uma boa dose de “terrorismo poético”.

9. A sociedade pós industrial trás algumas vantagens (p.ex:… criação de redes digitais) ainda que possa vir a manifestar-se mais opressiva. As comunas de 60 procuraram fazer frente às forças de opressão – fracassaram. Como podemos separar o conceito de espaço dos mecanismos de controlo? Os gangsters territoriais, as nações estado, meteram a mão no mapa mundo. Quem inventará para nós uma nova cartografia – a da autonomia? Quem pode esboçar um mapa que inclua os nossos desejos?

O anarquismo implica em ultima instância a Anarquia – e a anarquia é caos. – Caos é o princípio da criação continua…

O CAOS não morreu.

 

IMG_5015

 

(1) . a Igreja da Santa Cruzada do Caos Perpétuo é uma tribo que cresce… estamos a ocupar espaços de acção e em breve teremos o nosso TEMPLO. Propomos entre muitas outras coisas: “Trabalho Zero”, boicote total às multinacionais do consumo.

Depois de um bom almoço acompanhado por bom vinho devemos repousar, olhar o Mar e construir poemas. O dia seguinte será ainda mais profícuo – a imaginação inunda a nossa mente, acordamos mais inteligentes – e voltaremos a nada fazer – NADA mais do que qualquer super homem pede.

 

Anúncios

a possibilidade de tudo – do tempo do espaço e do kaos (ritos)

tumblr_myxl4zk2ph1qzdll0o1_1280.png

1.
da sedução dos espaços

2.
o tempo passado – o espaço que regressa ao reencontro (com o que nos envolve)

3.
o interior das histórias  – todas

4.
a estratégia compartilhada – da transformação de imagens/sigilos

5.
imagens base de apontamentos naturais – as que reflectem desejo

6.
o mago e o motivo – um rito – ao azar

7.
motivo – os motivos seleccionados e sua integração na obra

8.
a imagem recolhida e suas considerações estéticas

 9.
da possibilidade de um subliminar – a obra

   10.
do resultante

11.
marcação dos signos e símbolos do desejo a cumprir

12.
a obra e o signo do actuante no rito. do grafismo – o decifrar do mago

tumblr_mywoijk0511r6zxy7o1_500

do tempo  do espaço e do kaos (ritos)

1. a possibilidade de tudo. do todo; 

2. os mitos não são lendas para os que crêem; 

3. são histórias. localizadas no tempo. envolvem o sobrenatural e deles irrompe certa realidade – outra;

4. o ritual transporta-nos ao mito – é dizer: revivemos através dele o mito;

5. pelo rito, a natureza é revitalizada – cumpre-se o objeto do ritual:  – a busca da perfeição. a do início;  

6. o retorno implica, pois, esse ritual e a recitação do mito; 

7.  na superfície neutra do papel, uma grafia que nasce do gesto incontrolado da mão – a mão que desenha perante um olhar que observa – não intervém; 

8. há nisto um quê de gnose estética – a sua base é o auto-conhecimento; 

9.  essa grafia, desencadeia – pode desencadear – processos transitórios de transe ou um despertar de forças subterradas nos atavismos (nossos);

10. a incorporação da escrita na obra plástica não é novidade – faz parte integrante da história da pintura; 

11.  uma questão estética;

12.  arrisquemos, porém, uma leitura alargada. uma leitura não limitada à caligrafia formal e plástica – num contexto simplesmente semântico;

13. arrisquemos o global, a palavra/escrita/dita enquanto geradora de múltiplas relações de poder;  

14. e, enquanto geradora do desejo;

15. o artista/feiticeiro  desenvolve uma grafia capaz 

                        de libertar forças ocultas – capaz de jogar com a pluricefalia xamânica;

16. cumpre-se o acto de criação – presente, a dinâmica do caos onde natureza, criatividade, tempo e acaso são variáveis num quadro perfeitamente determinista;

17. a relação entre o acaso, o acto criativo, o tempo e a natureza coloca o mago/artista como interveniente num ritual preciso, o qual só será concluído quando alcançada a comunhão entre natureza e projecto criado;

18.  nesta acção o mago é colocado na condição de manipulador de elementos capazes de estruturar a obra  – via sigilos; 

19. ele comporta-se como um soldador de objectos onde o acaso é elemento de fundamental importância;

20. os “objectos” alvo da colagem transformam-se em signos/símbolos da acção-desejo;

21. o desejo é, também, o anular do caracter condicionador da linguagem; 

tumblr_myqrp8Ocny1rf3092o1_1280

22. a obra conseguida é para ser vista/contemplada (pelos olhos);

23. não para ser lida no sentido convencional – daí, a recusa de todos os condicionalismos gerados pelos signos da linguagem; 

24. a actuação do artista/mago, neste ritual, é espontânea – sempre; 

25. não há – não pode haver – limitações ao rito;

26. o iniciado não obedece a quaisquer liturgias ou a leis ditadas por mestres;

27. só a liberdade poderá gerar o prazer e o prazer é a obra;

28. o mago é o conhecedor…;

29. ele sabe que a natureza é a grande mãe e o caos é a possibilidade de tudo;

30. o mesmo será dizer: TUDO É POSSÍVEL; 

tumblr_meotqs6pvk1r67g8ro2_500

31. O DESEJO SERÁ CUMPRIDO se O QUE QUISERMOS, se o FIZERMOS;

32. resultado – um acto conceptual gerado por um rito – por todos; 

33.  um acto pendular.